ESTRUTURA


A VisoGrafia é um sistema que congrega elementos que representam abstrata e graficamente os parâmetros visuais e parêmicos que são constitutivos da língua de sinais. Esses elementos, intelectualmente organizados, se relacionam de forma interdependente formando um todo organizado, ou seja, formando um sistema de escrita de sinais, que representa fenômenos linguísticos visuais numa perspectiva representacional gráfica unificante. 

Visograma da VisoGrafia.

Visograma da VisoGrafia decodificado em Português.

O sistema é composto por um visograma que contem 37 elementos visográficos e um conjunto de 45 diacríticos, com os quais se relacionam no processo de grafia das línguas de sinais pela VisoGrafia.

Diacríticos da VisoGrafia

Diacríticos da VisoGrafia decodificados em Português.

A VisoGrafia possui estrutura linear, em que os sinalemas das línguas de sinais são escritos das esquerda para a direita, observando as seguintes regras: 

1) os sinalemas devem ser grafados da esquerda para a direita, linearmente, obedecendo espacialização entre os mesmos de forma a não prejudicar a sua leitura. Se a escrita for orientada pela percepção da mão esquerda como dominante, o texto deve apresentar nota explicando que o mesmo foi escrito por um escritor canhoto, de acordo com o modelo abaixo - (EU TENHO DOIS LIVROS);

2) os sinalemas cuja locação (ponto de articulação + ponto de contato) sejam na cabeça, no tronco, nos membros ou nas mãos, devem obedecer a seguinte ordem de escrita dos visografemas: locação, orientação de palma, configuração de dedos do polegar para o mínimo, sendo o polegar na base do visografema que representa a orientação da palma e os demais dedos no topo, movimentos e por último, expressões faciais - (CHEIO/ABARROTADO);

3) os sinalemas articulados no espaço neutro a frente do tórax, a locação, como no SW, não deve escrita, pois fica subtendido - (NOME); 

Havendo seccionamento no deslocamento da mão/braço, embaixo do visografema de movimento, deve ser escrito pequenos traços para indicar que tal deslocamento é seccionado - (22);

4) em sinalemas em a mão faz contato com um dado ponto de articulação, deve ser utilizado os seguintes símbolos gráficos: * para tocar; + para pegar e <, > para tocar entre os dedos - (ACASALAR);

5) em sinalemas em que a mão é posicionada próximo ao ponto de contato em um ponto de articulação qualquer, sem que a mão realize o contato, deve ser escrito o ponto de articulação e a configuração de mão, sem a escrita de diacríticos de contato - (Sign Writing);

6) em sinalemas cuja configuração de mão apresente dedos estendidos e que apenas um deles realiza o contato com o ponto de contato, deve ser utilizados os números de 1 a 5 para registrar com precisão a informação, onde 1 é o polegar, 2 o indicador, 3 o médio, 4 o anular e 5 o mínimo. O mesmo princípio poderia ser aplicado a sinalemas que apresente características similares e que o movimento é aplicado a dedos específicos - (AMANHÃ);

7) em sinalemas cuja orientação do eixo da palma da mão ou da ponta do dedo não fique explícita, tais como, medial para frente e distal para trás, que poderiam ser confundidas com as para medial para cima e distal para frente, respectivamente, deve ser utilizado os sinais gráficos (para frente - figura 1) e (para trás - figura 2) - (SEMPRE - figura 3) - (EU - figura 4) ; 

8) sinalemas monomanuais devem ser escritos da seguinte forma: observando a ordem expressa no item 2, obedecendo as características de dominância destra da mão - (SINAL/SINALEMA);

9) sinalemas bimanuais simétricos devem ser escritos observando as regras grafotáticas expressas no item 2, para as duas mãos. Primeiramente, devem ser escrita a mão esquerda, seguida da direita. Em sinalemas cuja direção do movimento seja igual para as duas mãos, o movimento deve ser escrito embaixo das configurações das mãos centralizado - (LIVRO - figura 1). Já nos casos em que as mãos não compartilhe a mesma direção do movimento, este poderá ser escrito de duas formas: embaixo de cada mão - (HOJE - figura 2) ou ao lado dela - (AFASTAR - figura 3);

10) sinalemas compostos ou divisíveis, devem ser escritos observando as seguintes normas: 1) se as partes forem executadas com orientação para baixo e para trás, deve ser escritos verticalmente de cima para baixo (figuras 1 e 2); se forem executadas para frente e para cima, devem ser escritas verticalmente de baixo para cima (figuras 3 e 4), se forem executadas na horizontal, a escrita deve ser linear da esquerda para a direita (figura 5);

11) em sinalemas assimétricos a escrita deve observar as regras expressas no item 2, para cada mão. A grafia deve se dar sempre da esquerda para a direita - (SEMANA - figura 1) - (LEI - figura 2);

12) os sinalemas com mão passiva ou de apoio cuja a orientação de palma fosse para cima ou para baixo, que constitui a palma ou o dorso, respectivamente, como pontos de contato para a mão dominante, devem ser escrito apenas o ponto de contato (palma ou dorso), uma vez que, o formato da mão não implica disjunção, ou seja, em um sinalema com mão de apoio, cuja orientação da palma seja para cima, em que a mesma sirva como ponto de contato para a mão dominante, a mudança do formato da mão não, implica na mudança do significado do sinalema (figuras 1 e 2) , assim sendo, a grafia deste tipo de sinalema, deve considerar apenas o ponto de contato da mão de apoio - (COMEÇAR - figura 3);

13) os sinalemas cuja estrutura seja a datilologia (representação manual das letras do alfabeto da língua oral), as letras devem ser escritas linearmente da esquerda para a direita - (COPO);

14) os números poderão ser grafados de duas formas, observando as especificidades constitucionais dos números na Libras: os números cardinais devem ser grafados preferencialmente em algarismos indo-arábicos - 1, 15, 250, 3458 e assim por diante, também poderão ser grafados "por extenso" - figura 1, aconselha-se o uso da grafia dos números cardinais "por extenso", apenas dos números de 1 ao 9. Os números quantitativos devem ser grafados observando as regras da língua de sinais para os mesmos, ou seja, a grafia pode ser dar nas duas modalidades (em algarismos indo-arábicos e "por extenso"). Na grafia "por extenso", deve-se observar que os mesmos são sinalizados próximos no quadrante formado pela lateral da cabeça e linha do ombro, sendo que nos números de 1 ao 4, a orientação da ponta do dedo é para cima - figura 2. Os números ordinais também poderão ser grafados pelas duas modalidades. Na grafia em algarismos indo-arábicos, o sinal de grau (º) deverá ser substituído pelo visografema de movimento para cima e para baixo (figura 3) do primeiro ao quarto (figura 4) e para esquerda e para direita (figura 5) do quinto ao nono, incluindo o 0º (figura 6), sempre sobrescrito a casa que corresponde a unidade. Em relação a grafia por extenso, o mesmo princípio deve ser observado. Aconselha-se a utilizar a grafia por extenso do primeiro ao nono apenas - (figuras 7 e 8) (BENASSI, 2017, p. 103-105);

15)  o sistema de pontuação é similar ao admitido pela ELiS. Nela, o ponto final é vazado para que não haja confusão com o ponto que representa a configuração de dedo "fechado". Os dois pontos também apresenta esta estrutura para não haver confusão em relação aos dois pontos que constitui o diacrítico de movimento com repetição igual. Os demais componente desse sistema são similares ao da grafia da língua oral, conforme tabela a seguir:

No caso de orações exclamativas ou interrogativas, como na língua de sinais nem sempre as expressões de surpresa, de questionamentos ou de ironia, recaem sobre os últimos sinalemas, os mesmos devem ser escritos no início (de forma invertida) e no final da oração.

16) sinalemas não manuais são grafáveis pela VisoGrafia. A escrita deste tipo de sinalema deve obedecer a ordem linear de escrita e sua orientação também se dará observando a orientação da esquerda para direita) - (SIM - figura 1) e (LADRÃO - figura 2);

17) as ENM também são passíveis de serem escritas na VisoGrafia. Recomenda-se, em textos acadêmicos o uso de ENM gramaticais apenas. Em textos literários, o uso das ENM é livre. Na estrutura da VisoGrafia, os símbolos usados para escrever sinais não manuais e ENM, são considerados apenas diacríticos e não entram na contagem dos visografemas que compõem o visograma desse sistema de escrita de sinais - (MUITO IMPORTANTE);

18) Em sinalemas em que os dedos se fechem pelas pontas (polegar e demais dedos), um ponto deverá ser escrito em cima do visografema de movimento de fechar os dedos - (ESQUECER);

ALFABETO MANUAL ESCRITO EM VISOGRAFIA

Alfabeto manual. Edição de Claudio Alves Benassi.